Tuesday, November 23, 2004

Ensinar fotografia


Eu, caricaturizado por uma aluna.

Ensinar fotografia dá muito gozo, muito mais, quando estamos a lidar com jovens, cheios de ideias, de simulações, de dicas e mesmo com capacidade criativa. Falar de câmara escura e de óptica é, no início, quase um segredo dos deuses. Colocá-los a mexer na máquina fotográfica é divertido quando, pela primeira vez, "tocam" uma reflex de objectivas intermutáveis; o divertido é olhar, espreitar, quase enquadrar e simular uma fotografia a um ou a uma colega. Há risos, esconder atrás de uma cortina, ficar de faces rubras e exclamar "não gosto de ser fotografado(a)". No entanto, quando me retiro dizendo-lhes que vou ver aquilo que são capazes de fazer sem o professor ao lado, sou eu quem espreita pelo buraco da fechadura, qual visor de câmara fotográfica, e observar como, quando estão sozinhos, dão largas a toda uma encenação e caracterização de pasmar. O duelo entre a pose e o registo instantâneo é um momento quase nervoso, com tiques mas que, no fim, é rematado com uma explosão de alegria. Depois é só observar como, no final do trabalho, aquele ou aquela que fotografou, segura na câmara com uma "pose" (esta é outra pose) que mais parece o momento do herói!