Wednesday, November 17, 2004

Carlos Relvas 1838 / 1887




Carlos Relvas
Fidalgo da Casa Real, comendador da Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, opulento lavrador e proprietário na Golegã, Carlos Augusto Mascarenhas Relvas de Campos ficou conhecido pelo nome abreviado de Carlos Relvas. Figura muito conhecida no seu tempo, admirado pela sua elegância, perícia e arte como cavaleiro e toureiro amador, distinto desportista, hábil atirador de pistola e de carabina, dextro jogador de pau, de florete e de sabre, foi também notável na equitação. Seu pai, um abastado lavrador do Ribatejo, José Farinha Relvas de Campos, fundou importantes estabelecimentos agrícolas e uma grande casa na Golegã onde exerceu, por muitos anos, o cargo de Presidente da Comarca. Carlos Relvas seu continuador, nasceu em 1838. Foi casado, em primeiras núpcias, com D. Margarida Amália Mendes de Azevedo e Vasconcelos, filha dos Condes de Podentes, Jerónimo Dias de Azevedo Vasques de Almeida e Vasconcelos e D. Maria Liberata da Costa Mendes de Azevedo. Viu, assim, a sua fortuna aumentada pelo casamento com esta representante duma família ilustre e rica da Beira Alta e pôde, com segurança, entregar-se à administração das suas propriedades.
Dedicou, no entanto, grande parte da sua vida, a partir de 1860, à arte fotográfica, como amador. Visitou, na Europa, os mais conhecidos fotógrafos do seu tempo, comprou sofisticados e ricos aparelhos e construiu, junto de sua casa, um atelier com as mais sumptuosas características.
Numerosos prémios, galardões e outras honrarias que a partir daí recebeu premiaram, em todo o mundo, a qualidade dos trabalhos que executou. Casou em segundas núpcias com D. Mariana Maria. Do primeiro casamento teve quatro filhos sendo um deles, José, figura saliente na luta pela implantação da República em Portugal. A sua filha Margarida, hoje completamente esquecida, mareou posição elevada como fotógrafa amadora tendo, igualmente, sido premiada em vários certames internacionais. Morreu em Janeiro de 1894 e encontra-se sepultado, juntamente com a sua primeira mulher, falecida em 1887, em jazigo de família, no cemitério da Golegã.

Retirado do livro”Carlos Relvas Fotógrafo” de António Pedro Vicente
Colecção Arte e artistas
Imprensa Nacional Casa da Moeda